Um livro fundamental | Vladimir Safatle escreve sobre “No limiar do silêncio e da letra”

No limiar do silêncio e da letra_capa_alta_1

Em No limiar do silêncio e da letra: traços da autoria em Clarice Lispector, lançamento da Boitempo Editorial em coedição com a EDUSP, a psicanalista Maria Lucia Homem lança luz sobre a construção e crise da subjetividade contemporânea ao mediar o encontro inusitado entre a maior escritora brasileira, Clarice Lispector, e um dos pilares da psicanálise moderna, Jacques Lacan.

A noite de autógrafos de lançamento será hoje, 10 de dezembro (aniversário de 92 anos de Clarice Lispector), no Bar Balcão. Confira o convite virtual abaixo e confirme presença na página do evento no Facebook!

O livro está em pré-venda nas livrarias Saraiva, Cultura e Travessa. A versão eletrônica (ebook) será lançada ainda esta semana.

Leia o texto de orelha de Vladimir Safatle:

Há, ao menos, duas práticas que se confrontam sistematicamente com a dissociação entre palavra e comunicação. Uma é a clínica psicanalítica, com sua compreensão do caráter problemático da relação entre desejo e nome, assim como sua certeza de que a relação transferencial entre paciente e analista não pode ser reduzida a alguma forma de comunicação. A outra prática é a escrita literária, em especial o setor da experiência literária mais disposto a problematizar a estrutura narrativa do romance, do narrador e do autor. Para tal setor, a literatura não comunica nada, mas expõe a força da língua em sua capacidade de formalizar o que não cessa de não se inscrever. Reduzir tal capacidade a uma maneira astuta de comunicação é tentar unificar a praça do mercado com os tormentos de alguém que só encontra sua própria figura no silêncio.

Já de início, escritores de vanguarda perceberam que a psicanálise havia construído uma reflexão paralela a respeito de uma experiência da linguagem partilhada tanto pela clínica quanto pela criação. Por isso, a partir do surrealismo, o interesse da literatura pela psicanálise tem sido uma constante. Da mesma forma, o interesse de psicanalistas pela experiência literária continua forte desde Freud.

No entanto, há de se reconhecer quão pouco se avançou no que diz respeito ao que a articulação entre literatura e psicanálise pode produzir. Muitos dos trabalhos psicanalíticos sobre literatura resumiram‑se a psicobiografia de escritores, uso de figuras literárias para exemplificar conceitos psicanalíticos e interpretações que ignoravam por completo problemas internos à forma estética em seu desenvolvimento autônomo.

O livro de Maria Lucia Homem sobre Clarice Lispector é, por isso, fundamental. Respeitando os conceitos que a própria obra de Lispector produz, Maria Lucia parte da pergunta: “Por que a questão do silêncio tem sido considerada recorrente e fundamental quando se trata de pensar a escrita de Clarice Lispector?”.

Tentando dar corpo àquilo que ela chama de “subversão do universo da escrita” produzida por Lispector, a autora demonstra como uma das mais representativas escritoras brasileiras contemporâneas foi capaz de formalizar uma experiência da linguagem que parece seguir de perto os esforços de Jacques Lacan em mostrar até onde pode ir uma clínica do sofrimento psíquico baseada exclusivamente na reorientação da fala do analisando.

Clínica e crítica literária se entrelaçam aqui para mostrar os sintomas e as sublimações de um sujeito marcado pelo questionamento de seus ideais modernos de unidade, autenticidade e autonomia. Na dissociação da figura clássica do autor operada por Lispector, Maria Lucia consegue encontrar modos de vivenciar o que a experiência clínica psicanalítica nos mostra como impossível de esquecer. Para além da rica bibliografia crítica de Lispector, Maria Lucia permite, com seu livro, que a reflexão sobre a natureza do fenômeno literário a partir dos setores mais avançados da literatura brasileira dê um belo passo para a frente.

***

Opção2_alterado_alta

Lançamento e noite de autógrafos 
No limiar do silêncio e da letra: traços de autoria em Clarice Lispector, de Maria Lucia Homem
10/12 | segunda-feira | às 19h | Bar Balcão
Rua Dr. Melo Alves, 150 | Cerqueira Cesar
São Paulo | 01417-010
*Na compra de um livro ganhe um chope
.

Página do evento no Facebook

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Clarice Lispector e o frevo | Blog da Boitempo
  2. “Quando não escrevo estou morta” | Blog da Boitempo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: