Lei de greve para o funcionalismo público: o ovo da serpente

Por Mauro Iasi.

O governo da presidente Dilma, acossado e sem resposta ao funcionalismo púbico e greve, a não ser a intransigência e prepotência de quem escolheu direcionar o fundo público em auxílio ao capital privado em detrimento do setor público, resolveu tirar do armário o arsenal de projetos de lei que limitam o direito de greve.

Quando realizávamos os debates na época da elaboração da atual constituição, um jurista renomado aconselhava aos sindicalistas que a melhor redação era: “a greve é um direito”. Alertava-nos que qualquer detalhamento ou normatização seria, via de regra, uma manifestação dos interesses de cercear e limitar este direito e nunca viria em favor dos trabalhadores. Parece que tal conselho segue sábio e útil.

O que se alega é a necessidade de “disciplinar”, “normatizar” a utilização do recurso da greve em nome de defender os interesses da “sociedade”, daí os dispositivos indicados de restringir tal utilização em setores estratégicos, garantir o funcionamento mínimo de serviços essenciais, limitação do exercício do direito em “épocas de eventos internacionais”, a garantia de medidas de punição, como corte de ponto e substituição de servidores.

Em primeiro lugar é preciso que se diga que tais medidas, por trás do manto enganoso e ideológico da suposta “defesa da sociedade”, visam defender o governo e por trás dele os interesses de classe que representa da reação dos funcionários públicos à desastrosa política implementada de reforma do Estado e de desmonte de serviços públicos. A onda de greves que vivenciamos tem suas raízes não na intolerância de funcionários dispostos a abusar do direito de greve para garantir mesquinhos interesses corporativos, pelo contrário, é a reação esperada de um setor que em sua maioria (guardadas honradas exceções) deu um voto de confiança ao governo e foi ludibriado.

A raiz das greves que presenciamos pode ser encontrada no adiamento injustificável do estabelecimento de uma data base para o funcionalismo, no não cumprimento da promessa de reajustes anuais que corrigiriam a inflação e do fracasso da mesa permanente de negociação que deveria ser um canal de negociação permanente do governo com os diferentes setores do funcionalismo. A Secretaria de Relações do Trabalho vinculada ao Ministério do Planejamento e Gestão especializou-se nas manobras protelatórias, engodos e escaramuças cuja única finalidade foi retardar o atendimento das demandas apresentadas, como, por exemplo, a reestruturação das carreiras, o enfretamento de distorções salariais e a mera implantação de diretos adquiridos.

O que nos espanta não é a força e o vigor da greve que vimos em 2012, mas porque ela não ocorreu antes. De um lado, no caso de muitos setores do funcionalismo, vimos a boa vontade e a aceitação da tese governista que se estaria arrumando a casa através de uma macro política econômica combinada com uma reforma do Estado que, garantindo um suposto e mítico crescimento econômico sustentável, levaria na sequência a uma valorização do serviço público. Essa “boa vontade” foi operada com o apassivamento de representações sindicais através de métodos diretos e indiretos de cooptação que foram desde a participação direta no governo, passando pelo atendimento de demandas burocráticas no caso das centrais sindicais, até a liberação de recursos no balcão de projetos e verbas das diferentes áreas do governo.

Não devemos menosprezar a estratégia do governo no sentido de criar uma diferenciação profunda no governo entre carreiras que considerava de estado e de ações e serviços que o governo implantou formas severas de terceirização e precarização, dividindo o setor púbico.

No entanto, a eficácia de tais medidas encontrou seu limite no agudizar da crise do capital e do desmoronar do sonho de um capitalismo regulado e sustentável. A crise cobra do governo a liberação do fundo público para salvar o capital e os funcionários públicos se vem diante de uma resposta que suas demandas serão novamente adiadas. Quando a economia cresce os funcionários tem que dar a sua cota de sacrifício para manter a política de superávits primários e estabilizar a economia para que ela continue crescendo, quando entra em crise tem que ser sacrificados para que a economia privada não caia tanto.

Com medo de estabelecer uma data base e os ajustes anuais o governo operou com o calendário orçamentário, o que lhe permitiu negociar em separado com os diferentes setores do funcionalismo, dividindo para reinar como os velhos romanos, e chantageando com as amarras orçamentárias e a Lei de Responsabilidade Fiscal. Este ano o tiro saiu pela culatra e o calendário orçamentário virou a data base unificada do funcionalismo. Puxados pela greve nacional dos professores universitários, os demais setores, inclusive organizados pelo sindicalismo governista, não tiveram outra forma de pressão que não a greve para enfrentar a intransigência do governo.

Diante do movimento legítimo dos funcionários o governo, ao contrário do que seria sensato, ou sejam, negociar, resolveu manter a arrogância, não recebeu as entidades, de fato não negociou, o que foi decisivo para que algumas greves se mantivessem por tanto tempo. Os professores, por exemplo, entraram em greve em 17 de maio e só foram recebidos no dia 13 de julho para depois de duas rodadas de uma farsa de negociação o governo encerrar a farsa assinando um suposto acordo com uma entidade que com dificuldade dizia representar cinco das ciquenta e nove IFES em greve.

Como resolver este problema? Negociando com entidades realmente representativas, cedendo no que for possível, reconhecendo que a dimensão do movimento é proporcional à protelação e adiamento injustificável no atendimento das demandas que se acumularam? Não, o governo resolve enfrentar a questão da forma como os governos autoritários agem: cerceando o direito de greve!

A raiz de todo autoritarismo pode ser encontrada no medo que os governantes que representam interesses de uma minoria tem de seu povo. A verdadeira universalidade por traz destas medidas temerárias que se anunciam não pode ser encontrada no recurso de evocar os abstratos “interesses da maioria da sociedade”, pelo contrário. Trata-se de uma universalidade particularista tornada possível diante de uma suposta ameaça que vem daqueles que lutam e resistem na defesa de seus direitos. Como nos ensinou Leandro Konder ao tratar da ideologia de direita:

O próprio sistema em cuja defesa as classes dominantes se acumpliciam – um sistema que gravita em torno da competição pelo lucro privado – impede que as forças sociais em que consiste a direita sejam profundamente solidárias: elas só se unem para os objetivos limitados da luta contra o inimigo comum (Leandro Konder, Introdução ao Fascismo, 2009, São Paulo, Expressão Popular, pg. 28).

No caso presente o inimigo comum somos nós que lutamos, através dos meios democráticos conquistados – como o direito de greve – na defesa das demandas mais elementares como salários, condições de trabalho e carreira. Não é a defesa da sociedade, mas a garantia para que o governo a serviço do capital siga seu trabalho e que o capital tenha as condições de continuar acumulando, condições necessárias para restringir direitos, flexibilizar conquistas e precarizar a vida.

É preciso restringir o direito de greve para que o Brasil receba os eventos internacionais e seu mar de recursos para saciar a fome de lucro das grandes empreiteiras. Se o direito à moradia estiver no caminho, façamos como se tem feito nas remoções no Rio de Janeiro: removamos este obstáculo com retroescavadeiras acompanhadas por batalhões da polícia militar. Se o direito de propriedade estiver ameaçado, a justiça garante a remoção de milhares de famílias, como no Pinheiriho em São José dos Campos. É preciso remover obstáculos à ordem burguesa e seu afã de lucro – se no caminho estiverem alguns direitos, devem ser removidos.

Para defender a “sociedade”, ataquemos a sociedade; para garantir a “democracia”, vamos restringir a democracia. Não, estamos diante de algo muito mais simples de ser entendido: a lógica que beneficie uma parte bem pequena da sociedade, a burguesia e seus negócios, se choca com os interesses diretos daqueles que vivem da venda de sua força de trabalho. Para o bem da ordem os instrumentos da burguesia precisam ser glorificados e mantidos, como seu governo, enquanto os instrumentos dos trabalhadores precisam ser restringidos, como o direito de greve.

A formalidade democrática, cedo ou tarde, abre um paradoxo: ou os trabalhadores no exercício de direitos formais cobram a substancialidade de um novo patamar de direitos que digam respeito às suas reais demandas, ou o capital incomodado com tal possibilidade começa a cercear mesmo os direitos formais.

Mas os poderosos se enganam. Existe um elemento no direito que vai além da forma legal que por ventura o reveste. Houve um tempo em que a greve, assim como a organização sindical, era ilegal no Brasil – e nós fizemos greves e conquistamos o direito de ter nossas organizações sindicais. Eles que tornem a greve ilegal, isso não nos intimidará e nós faremos greves. Então que cassem nossas organizações e nós as reconstruiremos, contra a ordem e por cima das amarras das leis que tentarão em vão revestir nossos direitos.

***

Mauro Iasi é professor adjunto da Escola de Serviço Social da UFRJ, presidente da ADUFRJ, pesquisador do NEPEM (Núcleo de Estudos e Pesquisas Marxistas), do NEP 13 de Maio e membro do Comitê Central do PCB. É autor do livro O dilema de Hamlet: o ser e o não ser da consciência (Boitempo, 2002). Colabora para o Blog da Boitempo mensalmente, às quartas.

9 comentários em Lei de greve para o funcionalismo público: o ovo da serpente

  1. Intelectual é uma coisa muito interessante, ontem assisti um vídeo da Marilena Chauí falando sobre a classe média paulistana. Se eu não soubesse o que ela já fez para defender a turma do mensalão eu caía direitinho na história de que ela é de esquerda e coisa e tal. O Mauro Iasi vem aqui falar de direito de greve, mas a UFRJ saiu da greve e ao invés de prestar solidariedade às 54 IFE da base do ANDES que ainda mantinham a greve, despachou três professores para o Comando Nacional de Greve do Andes justamente para trabalhar no sentido de acabar com a greve dos que ainda lutavam. Já não bastasse isso, no maior desrespeito, os três estão lá de forma irregular, contra o Regimento do CNG-ANDES que não permite mais do que um observador com direito a voz no comando para IFE em greve por tempo determinado, os três foram lá falar e para um votar como delegado! A maior e mais longa greve da história do ANDES chegou ao seu 105 dia com apenas duas defecções, da UnB (por um golpe da diretoria que fraudou a votação) e da UFRJ (que pela correlação de forças interna teve que propor o fim da greve em 31 de agosto), qual a contribuição que a ADUFRJ está dando para dar força aos que ainda estão em greve: nenhuma, está ajudando ao governo a acabar com a greve. Daí vem aqui e faz mil elocubrações como se de fato fosse alguém comprometido com algo que não fosse o umbigo do universo: a UFRJ. Ah! O movimento docente neste momento está refém dos projetos eleitoreiros do PCB, PSol e PSTU. Partidarização e aparelhamento do sindicato só poderia dar nisso mesmo… derrota.

    Curtir

    • Má fé e desinformaçāo quando andam juntas dá nisso. Danielle, algumas informações uteis:
      A) a UFRJ em assembleia indicou a saida da greve para o dia 10 de setembro, portanto, ainda estamos em greve.
      B) a questao de participarmos no comando greve esta, portanto, regular e foi referendada pelo CNG por ampla maioria. Informe-se.
      C) O que a UFRJ fez nāo foi “solidarizar-se” com a greve, nos participamos ativa e diretamente e mantivemos a greve por mais de 100 dias seguindo orientaçao de nosso CNG, inclusive isolando e derrotando o PROIFES que tentou, em vāo derrotar a greve e atacar o ANDES.
      D ) Por fim, temos posiçao sobre a saida unificada da greve e temos o direito de expressa-la no CNG. Quanto ao meu compromisso intelectual e militante deixo para o julgamento daqueles que nao medem compromisso pautado por boatos.
      Para quem estiver interessado ver a mobilizaçao que seguirá a continuidade da luta na UFRJ.

      Curtir

  2. É isso, Mauro. O duro é lutar em uma guerra na qual boa parte das baixas são resultado de fogo amigo.
    O CNG reconheceu por 3 vezes, sempre por amplíssima maioria, a posição da UFRJ sobre a greve claramente exposta na ata da assembleia da ADUFRJ encaminhada formalmente ao CNG como documento exigido pelo regimento do CNG e do ANDES para representar o conteudo politico de nossas ações nas seções sindicais e assembleias.
    Parece-me que nosso coletivo de luta sempre reconhece os que lutam e dá o espaço que merece aos liderados por boatos.
    O triste é ver como este movimento boateiro e esperneador não é novidade em nossas fileiras. O último grupo que agia assim nós sabemos onde foi parar. Está do outro lado da trincheira agindo junto com este governo que tenta cercear nosso direito de greve. O mesmo direito que constituiu os sindicatos e as lutas que deram origem ao atual partido cuja legenda é carregada pela cabeça do poder no executivo nacional. É a expressão anti-poética do cuspir no prato que comeu. O pior é que , como trabalhadores, continuamos a comer no mesmo prato, ainda que alguns teimem em servir banquetes para o capital.
    Obrigada por seu artigo. Nos ajuda na continuidade da luta.

    Curtir

  3. Carlos Eduardo Martins // 09/09/2012 às 12:23 am // Responder

    Excelente artigo Mauro Iasi,. Temos que aprofundar as lutas para resistir às restrições ao direito de greve que o governo e as forças conservadoras do país querem estabelecer

    Curtir

  4. Escrever é fácil, o difícil é pôr em prática o que se escreve.

    Curtir

  5. Marcos Silva // 10/09/2012 às 5:25 am // Responder

    Ótimo artigo, Mauro, parabéns. E não perca tempo de outra vez em responder comentários como esse em nome de Danielle. São claramente palavras de um provocador, que não é de esquerda coisa nenhuma. Gente que fomenta a discórdia, o divisionismo.. Siga em frente. Abraços, Marco Silva

    Curtir

  6. Mauro, como você mesmo escreveu, “não estamos diante de algo muito simples de ser entendido”. Portanto, textos como o seu nos ajudam a refletir e a nos posicionar diante de um problema que é difícil formular teoricamente, e na prática das nossas ações. A condução da greve na UFRJ nos fortaleceu politicamente e nos deu um novo horizonte, de luta e de consciência política. Muito obrigada por tudo isso. Abraços, Beany

    Curtir

  7. Thiago Lopes // 11/09/2012 às 12:27 pm // Responder

    Conheço algumas mobilizações no Andes e sei que não é fácil agir e promover idéias no momento de greve. E sei na prática que muitas pessoas, de diversas formas, estão empenhadas em manter esse direito dos trabalhadores que há três séculos causa temor a burguesia.
    Nem toda vez falar é fácil. Concretizar as idéias é difícil mas não impossível.
    Muita coisa ainda vai acontecer. Acredito que futuro da sociedade brasileira nos próximos anos ou na próxima década, tende a nos reservar muitos desafios. A difusão do antigrevismo através dos representantes das classes dominantes irá aumentar. E aí que assim como hoje, a luta de classes irá ser feita.

    Curtir

  8. arnaldo j santa cruz jr // 11/09/2012 às 10:29 pm // Responder

    Nós do INCRA também estamos em greve… boatos, mentiras, corte de ponto, assédio … tudo igualzinho… coisa dos ptistas dentro e fora do pt.

    Esperamos manter ou sair da greve conjuntamente, assim, nos fortaleceremos para segurar a pressão desse governinho de plantão durante o resto do ano e prepararmos outros… outros sorrisos, outro movimento, outra luta !

    abç

    Arnaldo

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. Lei de greve para o funcionalismo público: o ovo da serpente | Blog do Dario

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: