Ocupar o futuro: artigo de Noam Chomsky sobre movimentos de protesto que tomaram as ruas

A Boitempo Editorial e a revista eletrônica Carta Maior lançam na próxima semana a coletânea de artigos Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. O livro tem como objetivo ampliar o debate em torno dos movimentos populares que tomaram as ruas ao longo de 2011 em diversos países. Tendo em vista a ampla disseminação dessas discussões, o livro foi produzido com a colaboração de tradutores e autores cedendo seus textos sem cobrar direitos autorais e será vendido com preços acessíveis. Como explicado na nota da editora que abre a coletânea, o presente artigo, de autoria de Noam Chomsky (com tradução de Alessandro Funari), integraria a obra. O autor manifestou simpatia pelo convite para participar do volume, mas por questões burocráticas foi necessário negociar com seus agentes, os quais não abriram mão de pagamento. Como isso contrariava a ideia da obra, dos movimentos de ocupação e, em última análise, do próprio Chomsky e dos demais autores e colaboradores, optou-se, embora com pesar, por não aceitar a exigência e publicá-lo aqui no Blog da Boitempo e no site da Carta Maior.

Este artigo é uma adaptação da palestra proferida por Noam Chomsky no acampamento Occupy Boston, na Dewey Square, no dia 22 de outubro. Sua apresentação foi parte da Howard Zinn Memorial Lecture Series, uma série de palestras organizadas pela Universidade Livre do Occupy Boston em memória de Howard Zinn. Zinn foi um historiador, ativista e autor de A People’s History of the United States (obra sobre a qual Emir Sader escreveu em artigo publicado aqui no Blog da Boitempo em maio do ano passado).

***

Para mim, dar uma palestra sobre Howard Zinn me traz sentimentos contraditórios. Lamento que ele não esteja aqui para poder participar de um movimento que foi o sonho de sua vida e revigorá-lo. De fato, ele, em grande parte, moldou as bases para o que tem acontecido aqui.

Se os laços e associações que foram estabelecidos nesses eventos notáveis puderem ser mantidos durante o longo e árduo período que ainda existe pela frente – vitórias não são fáceis de se alcançar –, os protestos do movimento Occupy poderão constituir um momento significativo na história dos Estados Unidos.

Eu nunca tinha visto algo sequer semelhante ao movimento Occupy, seja em sua dimensão ou em sua natureza, aqui ou em qualquer outra parte do mundo. As frentes do movimento estão tentando criar comunidades cooperativas que poderiam ser justamente a base para as organizações duradouras necessárias à superação das futuras barreiras e da reação que já está se formando. 

Parece apropriado que o movimento Occupy seja sem precedentes, uma vez que estamos em uma era sem precedentes, não só agora, mas desde a década de 1970. 

Os anos 1970 delinearam um período decisivo para os Estados Unidos. Desde sua origem, o país teve uma sociedade que visava o desenvolvimento, nem sempre pelos métodos mais apropriados, mas com o progresso voltado para a industrialização e a riqueza.

Mesmo nos períodos mais difíceis, a expectativa era de que o avanço continuasse. Eu tenho idade suficiente para me lembrar da Grande Depressão. Em meados da década de 1930, apesar de, objetivamente, a situação ter sido muito mais dura do que é hoje, o espírito era bem diferente. Foi organizado um movimento de militantes operários – o Congresso de Organizações Industriais (CIO), e outros – e os trabalhadores fizeram greves ficando a apenas um passo de assumir e comandar as fábricas.

Sob pressão popular, a legislação do New Deal foi aprovada. O sentimento que prevalecia era de que sairíamos daqueles momentos difíceis.

Agora, há um sentimento de desesperança, por vezes de desespero. É algo bastante novo em nossa história. Na década de 1930, os trabalhadores sabiam que a oferta de emprego voltaria. Hoje, se você trabalha no setor industrial, com os níveis de desemprego quase iguais aos da Grande Depressão, você sabe que, caso persistam as políticas atuais, esses empregos podem não mais voltar.

Essa mudança de perspectiva dos norte-americanos sofreu uma evolução a partir dos anos 1970. Em uma súbita mudança de direção, séculos de industrialização transformaram-se em desindustrialização. A indústria obviamente continuou, mas no exterior e muito lucrativa, ou seja, prejudicial à força trabalhadora.

A economia focou-se no aspecto financeiro. As instituições financeiras cresceram assustadoramente. Acelerou-se o círculo vicioso entre finanças e política. A riqueza concentrou-se ainda mais no setor financeiro. Os políticos, confrontados com os altos custos das campanhas eleitorais, foram levados ainda mais aos bolsos dos seus ricos colaboradores.

E os políticos, por sua vez, retribuíram com políticas favoráveis a Wall Street: desregulamentações, alterações fiscais e afrouxamento das regras de governança corporativa, intensificando o ciclo vicioso. O colapso era inevitável. Em 2008, o governo lançou-se novamente ao resgate das empresas de Wall Street, supostamente grandes demais para quebrarem e com líderes grandes demais para serem presos.

Hoje, para um décimo do 1% da população que mais foi beneficiada por essas décadas de ganância e fraudulência, tudo está bem.

Em 2005, o Citigroup – que, a propósito, já foi resgatado diversas vezes pelo governo – viu nos ricos uma oportunidade de crescimento. O banco lançou um folheto para os investidores no qual os incentivava a aplicar dinheiro em algo chamado Índice de Plutonomia [Plutonomy Index], que identificava as ações das empresas que atendem o mercado de luxo. “O mundo está dividido em dois blocos, a plutonomia e o resto”, resumiu o Citigroup. “Os Estados Unidos, o Reino Unido e o Canadá são as plutonomias principais, as economias impulsionadas pelos ricos.”

Quanto aos não ricos, eles são chamados por vezes de precariado: pessoas que vivem uma existência precária na periferia da sociedade. No entanto, a “periferia” tornou-se uma parcela considerável da população norte-americana e também de todo o mundo.

Portanto, temos a plutonomia e o precariado: o 1% e os 99%, como vê o movimento Occupy – não são números exatos, mas a imagem é certa.

A reviravolta histórica na confiança das pessoas em relação ao futuro é um reflexo das tendências que podem se tornar irreversíveis. Os protestos do Occupy são a primeira reação popular de grande porte que podem tornar possível a mudança na dinâmica das coisas.

Detive-me a assuntos internos. No entanto, há dois perigosos desenvolvimentos no campo internacional que ofuscam todo o resto.

Pela primeira vez na História da humanidade, foram colocadas ameaças reais à sobrevivência da espécie humana. Desde 1945 temos armas nucleares, e parece ser um milagre que tenhamos sobrevivido a elas. Mas as políticas do governo Obama e de seus aliados estão incentivando essa derrocada.

A outra ameaça é, obviamente, uma catástrofe ambiental. Praticamente todos os países do mundo estão tomando medidas, mesmo que hesitantes, para fazer algo a respeito. Os Estados Unidos estão retrocedendo. Há todo um sistema de propagandas, abertamente reconhecido pela comunidade empresarial, declarando que as alterações climáticas não passam de um embuste dos liberais: para que prestar atenção nesses cientistas? Se essa intransigência continuar no país mais rico e mais poderoso do mundo, a catástrofe não será evitada.

Algo deve ser feito de modo disciplinado e sustentável. E logo. Não será fácil. Dificuldades e fracassos são inevitáveis. Mas, a menos que o processo que está ocorrendo aqui, no resto do país e em todo o mundo continue a crescer e se configure em uma força poderosa na sociedade e na política, as chances de um futuro decente são ínfimas.

É impossível realizar iniciativas importantes sem uma base popular ampla e ativa. É necessário sair pelo país e ajudar as pessoas a entender do que se trata o movimento Occupy, o que eles próprios podem fazer e quais as consequências de não se fazer nada.

Organizar uma base assim envolve educação e ativismo. E educação não significa dizer às pessoas em quem acreditar, mas aprender por elas e com elas.
Karl Marx disse: “A tarefa não é somente compreender o mundo, mas transformá-lo”. Uma variante que convém ter sempre em mente é que se você quer transformar o mundo, é melhor tentar compreendê-lo. O que não significa ouvir uma palestra ou ler um livro, apesar de, às vezes, isso se provar útil. Você aprende ao participar. Você aprende com os outros. Aprende com as pessoas que você está tentando organizar. Todos temos de adquirir conhecimento e experiência de modo a formular e implementar ideias.

O aspecto mais empolgante no movimento Occupy é a construção dos vínculos que estão se formando por toda a parte. Se puderem ser mantidos e ampliados, o Occupy pode levar a esforços dedicados para colocar a sociedade em um rumo mais humano. 

***

A Boitempo, a Carta Maior e o Espaço Revista Cult convidam a todos para o debate de lançamento e noite de autógrafos do livro Occupy – movimentos de protesto que tomaram as ruas que acontecerá no Espaço Revista Cult, dia 4 de abril, quarta-feira, das 20h às 23h. O evento contará com a participação dos autores Edson Teles, Giovanni Alves, Henrique Carneiro, Leonardo Sakamoto (a confirmar) e Vladimir Safatle.

04/04 | quarta-feira | das 20h às 23h | Espaço Revista Cult

Rua Inácio Pereira da Rocha, 400, Vila Madalena, São Paulo

Evento gratuito | Sem inscrições prévias | Debate sujeito à lotação do auditório

Confirme presença, convide seus amigos e compatilhe a página do evento no Facebook.

O livro encontra-se em pré-venda nas livrarias Saraiva e Travessa, o ebook está em pré-venda na Livraria Cultura.

***

Noam Chomsky é analista político e professor de Linguística no Massachussetts Institute of Technology (MIT). Além do trabalho na área de Linguística, Chomsky é reconhecido internacionalmente como um dos maiores intelectuais vivos da esquerda, tendo publicado centenas de artigos e livros que abordam temas como mídia, movimentos sociais, política e economia global. Foi traduzido para centenas de idiomas e publicado, no Brasil, por diversas editoras, como a Bertrand Brasil, Hedra, WMF Martins Fontes, Editora UNESP, dentre outras.

3 Trackbacks / Pingbacks

  1. Ocupar o futuro: artigo de Noam Chomsky sobre movimentos de protesto que tomaram as ruas « Cirandeiras
  2. Ocupar o futuro: artigo de Noam Chomsky sobre movimentos de protesto que tomaram as ruas | #rnblogprog
  3. Esboço crítico de “Sobre a tinta vermelha…” | Notas em Psicanálise

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: