violência policial

Violência policial contra os movimentos sociais no Brasil: bala certeira

08/06/2015 // 1 comentário

Jorge Luiz Souto Maior / "Sugere-se que a violência policial no Brasil está presente nos inúmeros casos de “balas perdidas”, mas há uma violência institucionalizada, cujas balas são bastante certeiras, quando se direcionam à repressão dos movimentos sociais. Essa não é, por certo, uma questão nova no Brasil, e remonta à vinda da família Real para o Brasil, em 1808. A questão é que a repressão policial tem aumentado bastante, ultimamente, na exata proporção do crescimento da força dos movimentos sociais." [...]

Violência e ideologia

03/06/2015 // 4 comentários

Mauro Iasi / "Assistimos ao espetáculo da violência. A própria frase encerra seu significado mais dramático. Parte das pessoas encara a violência no papel de espectadores e a consomem pelo filtro dos meios de comunicação – seja a televisão, o rádio, as redes sociais. Sujeitos apassivados adornianamente pela indústria cultural, transformados em espectadores que expectoram catarticamente para o vídeo burro seus anseios e frustrações, para vê-los realizados pelo outro inexistente, tornando-os vazios." [...]

Entre os números e a ideologia: a avaliação das UPPs em “Os donos do morro”

26/05/2015 // 4 comentários

Marcos Barreira e Maurílio Lima Botelho / "A 'pacificação' é um elemento central na produção de uma nova imagem da cidade do Rio. Quando os pesquisadores tratam-na pura e simplesmente como uma 'política de segurança', sem levar em consideração os efeitos da cobertura midiática, não fazem mais do que ecoar os pronunciamentos oficiais. Por isso mesmo que, em termos práticos, também é difícil delimitar a fronteira entre o projeto das UPPs e as pesquisas teóricas. Em muitos casos, elas fazem parte da construção da legitimidade das políticas de Estado." [...]

A era da pilhagem

25/05/2015 // 6 comentários

Ruy Braga / "Durante períodos de crise orgânica, quando o consenso recua e a força avança, o conteúdo autoritário da estrutura capitalista revela-se com mais clareza. A militarização do conflito social insinua que a transição para um modelo apoiado na pilhagem dos direitos sociais e trabalhistas já começou. E o mais provável é que batalhas populares como as de Curitiba multipliquem-se pelo país afora, comprovando a chegada da era da pilhagem ao país." [...]