Entrevistas

Viviane Vergueiro: “Estes tempos de golpe são tempos para encararmos as pseudo-virilidades fascistas que acham mais legitimadas para atuar”

27/10/2016 // 5 comentários

Viviane Vergueiro é ativista transfeminista, professora e pesquisadora em identidades de gênero e diversidades corporais no Grupo de Pesquisa em Cultura e Sexualidade da Universidade Federal da Bahia (CuS-UFBA). Graduada em Ciências Econômicas, é mestra pela Universidade Federal da Bahia no Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos. Nesta entrevista, Viviane discorre sobre múltiplos temas, como o conceito de cisgeneridade, embates e tensões acerca dos colonialismos, o processo transexualizador, o golpe parlamentar instalado no Brasil ao longo do ano de 2016 e possíveis consequências para a população LGBT. Esta conversa, conduzida por Fernando Luiz Salgado da Silva (doutorando em psicanálise pela Universidade de Paris 7) e Maria Luiza Rovaris Cidade (doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro) dá sequência à série de entrevistas do Movimento Democrático 18 de Março (MD18) com grandes intelectuais de esquerda publicadas, no Blog da Boitempo. [...]

Frei Henri: “O Brasil vive um golpe branco”

22/09/2016 // 4 comentários

O corpo do velho guerreiro está cansado e agora deve ficar deitado a maior parte do dia para poupar a saúde. Mas o espírito permanece vivo e a voz clara, especialmente quando se trata de caracterizar o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, que se concretizou no dia 31 de agosto de 2016. “Para mim é claramente um golpe de Estado. Um golpe branco”, diz Frei Henri Burin des Roziers, padre dominicano francês e grande figura das lutas camponesas no Brasil que se aposentou em Paris há 3 anos atrás. Este ano, ele publicou pela editora Cerf "Comme une rage de justice". [...]

‘A França não pode ficar indiferente ao golpe no Brasil’, diz Senador Antoine Karam

05/09/2016 // 5 comentários

Antoine Karam / "Estou preocupado com o silêncio das autoridades francesas. Num país como a França, não temos o direito de permanecer em silêncio quando os princípios democráticos são atacados. Digo e repito, a França não pode ficar indiferente. Seria grave para todo o subcontinente, que o maior país da América Latina afunde em um impasse social, econômico e político. A prioridade é mobilizar a comunidade internacional para denunciar esses truques de mágica com a Constituição que nada mais são que um Golpe de Estado e um assalto à democracia." [...]