O retrato cubista de Marina Silva

A percepção de um rosto no coração da gente.

Muitos já notaram o quanto Marina Silva se tornou uma pessoa feia em menos de 30 dias. No seu natural, ela nunca foi bonita. Mas havia nela uma face que, sem ser um feitiço para os olhos, despertava em todos nós um afeto, uma admiração, uma, já disse o bloco de carnaval do Rio de Janeiro, uma simpatia que era quase amor. Agora, não. Aquela voz que jamais anunciaria voo de avião no aeroporto, desagradável, áspera, aguda, agora vem trêmula, vacilante, mecânica, que lembra mais um discurso de robô em peito de lata.

E aqui eu faço uma breve suspensão para o cubismo. Com absoluta certeza, muitos já viram quadros de Picasso, em especial o “Retrato de Dora Maar”. Ou melhor, para maior choque, o quadro “Dora Maar com gato”. Para a nossa vista acostumada a volumes, ou à ilusão de volume que tem um desenho em perspectiva, o quadro é um horror. É um quadro cubista. Isso quer dizer: no cubismo, os objetos e pessoas representadas quebram-se em muitas faces, decompõem-se. O artista procura a visão total da figura, examinando-a em todos os ângulos ao mesmo tempo. E devido à fragmentação excessiva dos objetos, torna-se quase impossível a identificação da figura original. A pintura apresenta duas, três ou mais caras juntas em um mesmo rosto.

Pois assim tem sido Marina Silva. No último debate dos candidatos na Band, as suas muitas faces em um só plano eram quebradas, fragmentadas, expostas, mas reunidas todas em um só rosto. Mas sem harmonia para os olhos, aqui substituídos pelo que conhecemos dela. Por exemplo, ao ser questionada sobre as idas e vindas em São Paulo, sobre a sua candidatura estar ao lado de Alckmin e ao mesmo tempo não estar, ela afirmou: “Eu me sinto inteiramente coerente”. Aí vêm as coerências de um rosto cubista, porque assim falou Marina Silva: “Quando eu disse que não ia subir nos palanques que havia antes acordado com o nosso saudoso Eduardo Campos…” Notem o saudoso de passagem, mas saudade aí tem um conteúdo bem diferente do sentir falta.

Mas continuemos a reproduzir a fala da Marina saudosa, no sentido de quem tem uma alegre saudade: “Quando eu digo que quero governar com os melhores do PT, do PSDB e do PMDB…” Notem que ela substitui uma harmonia de ideias e valores partidários por uma seleção de melhores. Ótimo, para os ingênuos. Mas sob qual critério, os melhores serão eleitos por Marina, ela própria, que se acha a melhor dos melhores? E continua a rara orquídea decomposta em faces de um cubo: Ela criará o “Estado Mobilizador”, mas que diabo será isso? Uma injeção para uma corrida de 100 metros rasos? Não, é o Estado que nem é mínimo nem é provedor – e provedor vocês sabem o que é: é o Estado do Minha Casa, Minha Vida, por exemplo. Já o Estado Mobilizador é aquele capaz de mobilizar a iniciativa privada, empreendedorismo social, no atendimento das necessidades da população… Pelamordedeus: onde já se viu a iniciativa privada atender às necessidades da população? O valor do empresário, daqueles mais empreendedores, é o lucro. Ponto.

Mas continuemos em outras faces e fases de Marina que ela justapõe no mesmo rosto. No debate da Band ela cravou:

“Quero combater essa visão de apartar o Brasil, de que temos de combater as elites. O Guilherme, da Natura, faz parte da elite, mas os ianomâmis também. A Neca é parte da elite, mas o Chico Mendes também é parte da elite. Essa visão tacanha de ter de combater a elite deve ser combatida”.

Meus amigos, essa eu vi e ouvi. Isso valeria para um atestado de óbito de um ex-militante socialista. Mas em Marina é apenas mais uma absurda face. A Neca, no caso, é acionista e herdeira do Banco Itaú, que para Marina é apenas uma educadora social. O Guilherme é um chapa, um cara legal, desinteressado, que joga dinheiro fora por nada, só por amor ao retrato de Dora Maar. E Chico Mendes, bem, é aquele cara que foi morto na luta na floresta. Mas todos estão juntos e na elite, lado ao lado dos ianomâmis. Não é piada, é um escárnio, que já vem pronto.

“O senhor Leal, da Natura, deve bilhões ao fisco”, respondeu Fidelix, outro candidato. E mais: “A gente sabe também que o banco Itaú não quer pagar R$ 18 bilhões pela compra do Itaú-Unibanco. E a senhora está com essas pessoas”. A isso Marina respondeu que os empresários que respondam, porque ela mesma está acima de coisas tão mesquinhas. Mas continuemos.

Em outra face do seu retrato cubista, Marina hoje se declara contra a esquerda, ao mesmo tempo que se filia à luta da militância no Acre, quando lhe é conveniente. E critica, e chama de “velha esquerda”, a que se acha dona da verdade, que acha que vai começar tudo do zero. Na educação, sobre o ensino do criacionismo em escolas, Marina defendeu uma educação “plural”: “Se você coloca claramente para as pessoas que existe uma outra visão, a do evolucionismo, não vejo nenhum demérito nisso”, Mas o evolucionismo não é uma outra visão, para ser posta ao lado da criação do mundo por Deus. É a diferença entre ciência e crença medieval.

Disse antes que nos últimos tempos Marina se transformou num retrato cubista e cometi um pecado. Em Picasso, cubismo é arte. Ele está há séculos e anos-luz de distância das muitas faces de Marina Silva, em um só plano. E o plano dela é o que reúne todas as suas faces: chegar à presidência da República. Nesse novo retrato dos últimos tempos, Marina é a encarnação de um amontoado de faces. Da falsa viúva à madona falsa, mas sempre de cabelos presos e com bastante pudor. Daqueles retratos que a direita brasileira adora.

***

“O ódio à democracia é tão velho quanto a democracia: a própria palavra é a expressão de um ódio.”

Para aprofundar a reflexão sobre democracia, política, república e representação, entre o conceito e a dura realidade vivida, recomendamos a leitura de O ódio à democracia, de Jacques Rancière. Com orelha de Jenato Janine Ribeiro, o livro chega às livrarias este fim de semana, às vésperas das eleições brasileiras!

***

Soledad no Recife, de Urariano Mota, está à venda em versão eletrônica (ebook), por apenas R$10. Para comprar, clique aqui ou aqui.

***

Urariano Mota é natural de Água Fria, subúrbio da zona norte do Recife. Escritor e jornalista, publicou contos em Movimento, Opinião, Escrita, Ficção e outros periódicos de oposição à ditadura. É colunista do Vermelho. As revistas Carta Capital, Fórum e Continente também já veicularam seus textos. Autor de Soledad no Recife (Boitempo, 2009) sobre a passagem da militante paraguaia Soledad Barret pelo Recife, em 1973, de O filho renegado de Deus (Bertrand Brasil, 2013), uma narração cruel e terna de certa Maria, vítima da opressão cultural e de classes no Brasil, e do Dicionário Amoroso do Recife (Casarão do Verbo, 2014). Colabora para o Blog da Boitempo quinzenalmente, às terças.

9 comentários em O retrato cubista de Marina Silva

  1. Jose Carlos S Silva // 02/09/2014 às 19:18 // Responder

    Entendo a crítica, mas, gostaria de saber como seria a candidatura de um legitimo representante Comunista. Seria uma eleição para hoje ou uma militância que duraria longos anos até chegarmos a uma situação revolucionária, tipo Russia 17?

    Curtir

  2. Meu escritor preferido! (acho que sou burrinha, pois tentei me inscrever aqui, mas pediam uma tal de senha e não consegui mesmo! Vale lembrar que não tenho face. Será isso?) Bravo, como sempre!

    Curtir

  3. PEDRO HOLANDA // 02/09/2014 às 19:41 // Responder

    Esse é o Urariano (Qualquer semelhança no traçado das palavras com o Ariano, não é mera coincidencia) que eu não conheço e quero conhecer

    Curtir

  4. Falta acrescentar à rica biografia de Urariano Mota o livro “Os corações futuristas”, que trata das desventuras, amores, frustrações, sonhos, idealizações, aspirações, convicções e militâncias políticas de jovens pobres das periferias e subúrbios do Recife.
    Estes jovens, além de amigos, compartilhavam as mesmas paixões, tensões, medos, dores físicas oriundas das torturas e dores da alma, oriundas das inúmeras demandas juvenis inocentes não atendidas em favor do povo brasileiro.
    Emocionante relato, que creio firmemente, ter conteúdo autobiográfico.

    Curtir

  5. Tania Maria Farias Machado // 02/09/2014 às 22:15 // Responder

    Exatamente o que sinto quando vejo a marina falar. Fala “tudo” mas no final, não há conteúdo lógico que sustente o que fala. È uma aberração, uma loucura. Que Deus nos salve desse ser, tão vazio e incoerente. Muito bom o texto, parabéns!

    Curtir

  6. Beatriz Santos // 03/09/2014 às 0:55 // Responder

    Bravíssimo! Disse tudo! Essa Marina Silva só tem um único objetivo: chegar ao poder e ser Presidente do Brasil e depois, o povo brasileiro que se lixem. Que este texto seja divulgado para aqueles que ainda pensam e raciocinam com a razão.

    Curtir

  7. mais um perfil de marina entre tantos criados por aqules que nao lhe dao o benficio da duvida,mas nao apontam opçoes,criticam pela critica so,e nada disso vai parar o fenomeno Marina que vencera no primeiro turno.para a alegria de milhoes de desesperançados como que esta ai.

    Curtir

    • Desculpe a ignorância, mas onde estão esses milhões de desesperançados que citou? Quem são eles? Os únicos que atualmente vejo desesperançados neste país, é a nossa elite tacanha que já percebeu que o aécio não tem a menor chance e está se agarrando a qualquer coisa que possa representar uma possibilidade de volta a festa de roubar o patrimônio brasileiro

      Curtir

  8. O Brasileiro curti todo que não é verdadeiro tem atração por montagem

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: